terça-feira, 17 de agosto de 2010

Coisas do Tomás

Outro dia comecei a escrever sobre a nova mania do Tomás, mamar sentado na minha perna, de cavalinho. Acho que ele estava sofrendo muito com os gazes e ficava mais confortável assim. Ele  me convenceu e eu me entortava toda pra dar de mamar assim. Mas a mania passou e ele agora não sofre mais pra mamar. Aliás, está mamando bem rapidinho, 15 minutos que é pra sobrar tempo pra fazer outras coisas. Então resolvi escrever sobre as risadinhas que começaram a aparecer, disparadas por um carinho na bochecha. Mas essas risadinhas agora são gargalhadas. E ele acha graça em tudo, nas pessoas e seus tatibitatis, nas máscaras assustadoras que o papai trouxe da Africa e sempre pede pra ver o macaquinho que toca música e que a nova babá Lucrécia insiste em chamar de Boitatá. podia falar sobre os primeiros passeios do Tomás. No shopping, foi passear usando suas calças jeans e blusa de grife (e quase que eu perco a roupa, pois já estava ficando pequena). Ele ficou vidrado, olhando todo aquele movimento. Nem quis dormir, mas apagou quando entrou no carro.
E é assim que tem sido, cada dia uma coisa e cada coisa tão depressa. A novidade agora é que o Tomás faz oficialmente parte da população do Brasil. Recebemos hoje o Hevaldo, funcionário do IBGE. "Quantos moradores na casa?" E eu: "Três!" E quando eu disse a data de nascimento ele constatou "O Tomás é récem-chegado". Eu concordei, mas sei lá, récem-chegado depois de tanta coisa?

3 comentários:

  1. Bacana, Ju
    O Tomás já tem personalidade. Já sabe até do que rir. Esse ato de rir é que eu acho que é o primeiro contato consciente com o mundo. Porque chorar é uma defesa, uma reação orgânica. Rir já é transcendental. Parabéns ao Tomás que já é até cidadão. Beijos, seu pai.

    ResponderExcluir
  2. Ju,

    Ele é lindo d++!!

    bjos izabela

    ResponderExcluir